Jovem assassinada pelo padrasto só deve ser enterrrada nesta sexta

Enquanto isso, no Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), a delegada Gleide Ângelo começou a interrogar o padrasto de Maria Alice, o ajudante de pedreiro Gildo Xavier, 34, que confessou ter cometido o crime. Nesta tarde, às 14h, a delegada concederá entrevista detalhando o caso para a Imprensa.

O corpo de Maria Alice foi localizado na tarde da última quarta-feira, sem a mão esquerda, vestido com uma bermuda amarela e uma camiseta vermelha, e o rosto coberto por uma camisa branca. Ela estava cinco dias desaparecida, após ter saido com o padrasto, que prometeu arrumar um emprego para a enteada.

Maria Alice foi deixada sem vida em um canavial do Engenho Burro Velho, no km 28 da BR-101 Norte, em Itapissuma. Gildo Xavier, que acabou confesando o crime, indicou o local para a polícia.

O acusado nega ter cometido crime de estupro, mas a delegada Gleide Ângelo informou que a possibilidade não está descartada. “Só podemos afirmar alguma coisa após a conclusão da perícia tanatoscópica e sexológica realizada pelo IML”, disse. A delegada também solicitou que fosse feito exame toxicológico porque ela desconfia que a Maria Alice tenha sido dopada antes de ser assassinada.
 
A Polícia encontrou uma camisa dentro do carro alugado pelo padrasto, usado para se deslocar ao cometer o crime. A roupa foi encaminhada para exame no Laboratório de Genética Forense da Secretaria de Defesa Social de Pernambuco. A suspeita é de que a camisa, com cheiro forte, tenha sido usada para matar Maria Alice. A delegada Gleide Ângelo acredita que Gildo tenha começado a espancar a jovem ainda dentro do carro, que teve película fumê colocada pelo ajudante de pedreiro. Por isso, a Polícia acredita que Gildo tenha premetido todo o crime.

Apac divulga alerta de chuvas fortes nesta quinta-feira

A Agência Pernambucana de Águas e Climas (Apac) divulgou na manhã desta quinta-feira um aviso meteorológico com previsão de chuvas de intensidade moderada a forte até a 1h30 de sexta-feira. Chove forte desde a noite de quarta-feira e a previsão é de acumulados acima de 40 mm, quantidade esperada para mais de dois dias.

Os transtornos começam a se acumular. Uma árvore caiu na Avenida Agamenon Magalhães, nas imediações do Bompreço no bairro do Parque Amorim. O tráfego foi reduzido a uma única faixa da via, que soma diversos pontos de alagamento e transbordamento do canal. De acordo com a Companhia de Trânsito e Transportes Urbanos (CTTU), a árvore foi retirada do local por vota das 10h.

Diversas ruas e avenidas também estão alagadas. A pouca visibilidade e as pistas molhadas representam risco de acidentes e trânsito lento. As inundações podem se agravar, já que a alta da maré está prevista para às 10h30.

Na madrugada, as precipitações atingiram, principalmente, o litoral sul de Pernambuco, com destaque para os municípios de Ipojuca, Sirinhaém e Rio Formoso. Neste último, choveu 135 mm. Em Ipojuca, a comunidade de Rurópolis ficou ilhada após transbordamento de um canal. Moradores da localidade fecharam a PE-60, em protesto.

De acordo com o aviso meteorológico, áreas de  instabilidades formadas  pela  confluência  dos  ventos  úmidos oriundos  do  oceano  Atlântico estão causando aumento  da  nebulosidade e chuvas, principalmente na Região Metropolitana do Recife (RMR) e Matas Norte e Sul do estado. Equipes da Secretaria Executiva de Defesa Civil do Recife (Sedec) podem ser acionadas pelo 0800-081-3400. A Central de Atendimento funciona 24h e a ligação é gratuita.
Já na quarta-feira, as chuvas que atingiram a Região Metropolitana deixaram várias ruas alagadas. Segundo a Apac, a maior quantidade de chuva da noite da terça-feira foi registrada em Jaboatão; 102 milímetros, o equivalente a 10 dias de chuva no município. No Recife, foram registrados 81 milímetros, quantidade esperada para cinco dias.

Na manhã e tarde de ontem, o tempo permaneceu nublado. Foi possível observar o aparecimento de baronesas no Rio Capibaribe. As plantas (Eichornia crassipes), conhecidas como aguapé, são comuns em ambientes poluídos. A elevação do nível da água, principalmente nos períodos de chuva, favorece a reprodução das baronesas.

No bairro de Ouro Preto, Olinda, um canal transbordou e interditou parte da pista local da PE-15. Também havia pontos de alagamento na Avenida Presidente Kennedy, em Peixinhos. No Recife, os principais pontos de alagamento foram registrados nos bairros do Pina, Boa Viagem, Imbiribeira e Espinheiro.

OAB rebate Mendes e é contra adiar novo Código de Processo Civil

O presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Marcus Vinicius Furtado Coêlho, rebateu nesta terça-feira (23) proposta do ministro Gilmar Mendes de adiar em até cinco anos o início do novo CPC (Código de Processo Civil).

"O novo CPC foi construído para unir celeridade com segurança jurídica. A sociedade não tolera mais um Judiciário moroso, onde os litígios são eternos. Adiar a vigência do novo CPC vai na contramão deste desejo", disse Coêlho.

Sancionado em março, o prazo para que o novo código entre em vigor é de um ano, ou seja, março de 2016. Como a Folha revelou nesta terça, Mendes propõe que o período seja ampliado em 3 a 5 anos.

A ideia é alterar o início da vigência via projeto de lei, o que está sendo costurado pelo ministro no Congresso. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foi procurado por Mendes e disse que vai apoiar a proposta.

A principal crítica do ministro é que as novas regras vão sobrecarregar o trabalho na corte. Hoje, quem decide se o recurso "sobe'' ou não é o tribunal de origem. Agora, caberá aos ministros da suprema corte opinarem se admitem os recursos.

Coêlho diz que a retirada da admissibilidade pelo presidente do tribunal dos recursos ao STJ e ao STF não foi formulada pela OAB. E diz que, se os tribunais superiores entendem que tal medida vai inviabilizar seu funcionamento, " mais adequado é apenas alterar esta regra, possibilitando que o novo CPC entre em vigor no prazo previsto".

O ministro Marco Aurélio Mello faz coro aos argumentos de Mendes. "Agora veio essa novidade de não se ter o juízo primeiro, e o recurso subir imediatamente ao STF e ao STJ [Superior Tribunal de Justiça]. Sob minha ótica, não é uma evolução, é um retrocesso", critica.

O presidente do STF, Ricardo Lewandowski, disse que o tribunal estará preparado para receber o novo código dentro do prazo estabelecido pelo Congresso. "A ideia é montar uma equipe com um assessor de cada gabinete para fazer uma triagem", diz.

A reforma foi elaborada por uma comissão de juristas, coordenada pelo ministro do STF Luiz Fux antes de ser submetida aos congressistas. A discussão durou cinco anos.

Relator do novo CPC no Senado, Vital do Rêgo (PMDB-PB) disse que a matéria foi consenso entre as duas Casas legislativas e que cabe ao Congresso dar a última palavra.

"A observação do ministro [Gilmar Mendes] é relevante e poderá ser apreciada pelo Congresso. Mas não acho necessário adiar."

Inverno começou dia 21/06 Domingo e população deve ter cuidados especiais com saúde

Presidente da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia diz que crianças, idosos e pessoas propensas a doenças respiratórias devem ter mais atenção

Presidente da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, Perini explica que muitos hábitos - como fechar os ambientes em casa, no trabalho, no carro e até mesmo no transporte coletivo - acabam atrapalhando a imunidade do organismo. “Esse enclausuramento por causa da temperatura é um fator de risco e facilita a proliferação de vírus pelo ambiente. Quando fazemos isso em casa também ajudamos os ácaros, fungos e mofo a proliferarem mais rapidamente”, disse.

A dica do alergista é fazer circular o ar no ambiente, deixando uma fresta da janela aberta no transporte e em casa durante o dia, e evitar aglomerações. Ele aconselha ainda as pessoas, principalmente os alérgicos, a lavarem as roupas que estão guardadas há certo tempo, antes de usar, porque elas acumulam mofo.

O período frio também vem acompanhado da proliferação de vírus respiratórios, que aumentam manifestações respiratórias, como a gripe, o resfriado e a rinite alérgica, disse Perini, explicando que os pacientes com asma devem ter mais atenção, já que a frio simula a contração do pulmão e pode agravar o problema. “A pessoa que tem doença crônica deve ter o acompanhamento de um médico. No Brasil, apenas 10% a 15% das pessoas que têm asma usam os tratamentos adequados e é absurdo porque já há acesso gratuito a medicamentos”, disse o alergista, destacando que entre 2,5 mil e 3 mil pessoas morrem de asma no Brasil todos os anos.

O especialista alerta para a importância, como medida de prevenção, da vacina contra a gripe oferecida pelo governo para grupos específicos.

Além das baixas temperaturas, algumas regiões também são marcadas pela queda da umidade no ar, um agravante para o organismo, disse Perini, pois as pessoas ficam com dificuldade de respirar. Ele explica que, além de nebulizadores, podem ser utilizadas toalhas molhadas esticadas pela casa para aumentar a umidade do ar. “Bacia, balde ou copo com água são mitos, porque a superfície é reduzida e a água não vai conseguir evaporar”, enfatizou.

O uso de aquecedores em casa também é aconselhado pelo alergista, desde que em uma temperatura confortável, por volta de 21 graus Celsius.

Além do sistema respiratório, a pele também é muito prejudicada com o tempo seco. Ele lembra que banhos quentes removem a hidratação natural da pele.

É importante também tomar muito líquido, comer frutas, legumes e verduras. Segundo Perini, é importante estar atento para a diversidade de cores no pratu o que ajuda a aumentar a diversidade de vitaminas protetoras.

O inverno este ano deve ser um pouco mais quente em praticamente todo o país, segundo a previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), com até 1 grau Celsius de aumento. Será um período de temperaturas amenas, mas com frio intenso na entrada de massas de origem polar nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste e com menos frequência e menos intensos no sul das Regiões Norte e Nordeste.

O Inmet prevê ainda chuvas acima do normal para o período no leste de Mato Grosso e em áreas no norte de Goiás, norte do Pará e Amapá, Rondônia e Rio Grande do Sul. Chuvas abaixo das normais serão verificadas no leste de Goiás, norte e sul de Mato Grosso, oeste do Pará e região central do Amazonas, litoral do Nordeste, Minas Gerais, São Paulo e oeste do Mato Grosso do Sul e noroeste do Paraná. Nesta época do ano, os valores médios das chuvas no Centro-Oeste são muito baixos, entre 10 milímetros (mm) e 30mm de precipitações mensais, exceto no extremo sul de Mato Grosso do Sul que tem médias históricas entre 60mm e 80mm nesses meses.

Segundo o Inmet, outro fenômeno meteorológico comum nessa época do ano são as inversões térmicas que causam nevoeiros e neblinas nas primeiras horas do dia, mas provocam queda da umidade relativa do ar, chegando a registrar valores de até 30% e por vezes abaixo desse valor, na região central do Brasil. O ar seco e o vento calmo favorecem a ausência da chuva, a suspensão de poeira e fumaça e as queimadas.