Blogueiro acusa prefeito de improbidade administrativa

O blogueiro Elias Martins levantou dados contábeis da prefeitura da Vitória de Santo Antão, onde o prefeito Elias Lira teria cometido crime de improbidade administrativa. Segundo o blogueiro tanto a Câmara de Vereadores como o Ministério Público fazem vista grossa para o fato quando teriam o dever constitucional de apurar as denúncias e caso as mesmas fossem comprovadas tomar as providências cabíveis. Providências essas, segundo o blogueira, que vão desde multa pecuniária até perca de mandato e prisão.

Copiloto derrubou o avião da Germanwings intencionalmente, afirma procurador do caso

O procurador responsável pela investigação do acidente com o Airbus da Germanwings, Brice Robin, afirmou, em coletiva de imprensa na cidade de Marselha, França, que o copiloto alemão Andreas Lubitz, de 28 anos, derrubou a aeronave intencionalmente, matando as 150 pessoas a bordo.

Após o início de um voo aparentemente normal, o piloto do Airbus A320, que caiu nos Alpes franceses na última terça-feira, saiu da cabine e não conseguiu retornar, de acordo com a análise das gravações da caixa-preta.

"No início do voo, é possível ouvir a tripulação falando normalmente, então se escuta o ruído de uma cadeira se movendo e a porta abrindo e fechando. Depois há ruídos que indicam alguém chamando na porta e não há mais diálogo a partir deste momento até a queda", como afirma o jornal New York Times. No final da gravação, ouve-se os alarmes que indicam a aproximação com a montanha.

Ainda segundo informações do procurador, as vítimas não perceberam que a aeronave estava caindo, pois na gravação da caixa preta não foram registrados nenhum grito até pouco antes do momento do impacto. "A morte foi instantânea", disse Robin, lembrando que o avião voava a 700 km/h quando atingiu as montanhas. A suspeita de terrorismo está afastada.

O copiloto do avião havia sido contratado em setembro de 2013 e tinha 630 horas de voo. Já o piloto, Patrick Smith, tinha 10 anos de experiência e mais de 6.000 horas de voo, segundo a Germanwings.

Operação Lava-Jato investiga comprador de avião de acidente que matou Eduardo Campos


A Procuradoria-Geral da República determinou, em um dos inquéritos da Operação Lava-Jato, que a Polícia Federal investigue as relações políticas e a suposta prática de agiotagem por parte de João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho - um dos três empresários de Pernambuco que compraram o jato Cessna, que em agosto de 2014 caiu e matou o candidato à Presidência Eduardo Campos (PSB).

A PGR suspeita que João Carlos Lyra seja o dono da Câmara & Vasconcelos, uma das empresas que pagaram pela aeronave, vendida por R$ 1,7 milhão.

Clique aqui e confira o especial sobre a morte do ex-governador Eduardo Campos

Desde o ano passado, a PF investigava se os três empresários de Pernambuco eram "laranjas" usados para ocultar a compra do jato - que foi testado por Campos, dias antes de sua aquisição.
O PSB e a família Campos negam irregularidades. No ano passado, Lyra divulgou nota afirmando que comprou o avião e locou para a campanha de Campos. Algumas empresas, entre elas a Câmara & Vasconcelos, teriam emprestado os valores da compra.

Descoberta

O nome da empresa já havia aparecido na Lava-Jato no fim do ano passado, como beneficiária da lavanderia do doleiro Alberto Youssef.

Foi identificado depósito de R$ 100 mil em janeiro de 2011. O que não se sabia era que João Carlos Lyra seria o dono da Câmara & Vasconcelos.

As suspeitas surgiram após Youssef afirmar, em delação premiada, em fevereiro, que o depósito para a Câmara & Vasconcelos referia-se a pagamento de dívida de campanha do senador Benedito de Lira (PP-AL), de 2010.

"Seria (a Câmara & Vasconcelos) uma empresa de Pernambuco. Eu sei que era para um agiota que ele (senador) estava devendo dinheiro que ele havia pego para terminar a campanha. Ele me falou que esse agiota era do Recife", contou Youssef.

Na petição em que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot determinou abertura de inquérito contra o senador e seu filho, o deputado Arthur Lira (PP-AL), foi pedida a oitiva de Lyra e o aprofundamento das investigações sobre a Câmara & Vasconcelos. A PGR quer que o empresário "esclareça as transferências mencionadas e a relação com os parlamentares" e se a empresa era utilizada por ele "para atividades de agiotagem".

O senador nega recebimento de propina e irregularidades na campanha. João Carlos Lyra não foi encontrado.

Graça Foster diz que foi erro dizer que Refinaria Abreu e Lima custou 2,5 bilhões de dólares

Em depoimento na Câmara dos Deputados, nesta quinta-feira (26), a ex-presidente da Petrobras Maria das Graças Foster afirmou que a Petrobras cometeu um erro ao divulgar o valor inicial da refinaria de Abreu e Lima como sendo de 2,5 bilhões de dólares. A refinaria, construída em Pernambuco, acabou custando 18 bilhões de dólares.

Ao responder pergunta do deputado Carlos Marun (PMDB-MS), durante depoimento na CPI da Petrobras, Graça Foster disse que a diferença entre a previsão inicial e o custo final da refinaria foi causado pela falta de um projeto básico confiável. O projeto foi alterado ao longo do processo de construção, o que motivou seguidos aditivos contratuais.

“A previsão inicial correta seria um custo de cerca de 14 bilhões de dólares”, disse a ex-presidente da estatal. Ela admitiu como razoável uma margem de diferença de preço de 20% acima do valor previsto em contratações. “Dá para trabalhar com margens menores que essa desde que haja um projeto básico realista”, disse ela.

Esta é a quinta vez que Graça Foster vai ao Congresso explicar irregularidades na Petrobras.