Imprimir

Fernando Bezerra depende de Paulo Câmara

Candidato ao Senado, o deputado João Paulo (PT) tem uma dianteira de 10 pontos percentuais em relação a Fernando Bezerra (PSB), seu principal adversário, maior que a de Armando Monteiro (PTB), que disputa o Governo estadual, frente a Paulo Câmara, hoje de quatro pontos, segundo o último levantamento da Maurício de Nassau.

O ex-prefeito, entretanto, que prepare o lombo: com exceção do ex-governador Carlos Wilson, eleito em 1994, não há registro na história de separação da eleição do governador com a de senador. Se as próximas pesquisas indicarem uma tendência do eleitor por Paulo Câmara, candidato a governador pelo PSB, as chances de João Paulo se esvaem.

Se Câmara ultrapassar Armando e se fortalecer a ponto de tornar o pleito irreversível, não há como deixar de puxar o senador. A leitura se aplica à própria chapa de Armando, que lidera atualmente e está, consequentemente, influenciando João Paulo. Governador e senador é como casamentos indissolúveis.

Foi assim com Arraes em 86, que elegeu dois senadores completamente desconhecidos: Mansueto de Lavor e Antônio Farias. O fenômeno se repetiu com Jarbas Vasconcelos, elegendo José Jorge em 1998, quando estava em disputa apenas uma vaga, e Marco Maciel e Sérgio Guerra, em 2002.

Se o próprio João Paulo acha que pode se salvar numa eventual reviravolta do quadro para governador, é melhor cuidar em discutir uma estratégia que passe pelo fortalecimento de Armando. Olhando pelo retrovisor da história das eleições pernambucanas, quem elege senador é governador.

Imprimir

TRE barra candidatura de Maluf

Tribunal aplicou Lei da Ficha Limpa para avaliar pedido de registro de deputado, que tenta a reeleição

Dida Sampaio/Estadão - 07.08.2014

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo indeferiu nesta segunda feira, 1, o pedido de registro da candidatura do ex-prefeito Paulo Maluf (PP-SP), que busca a reeleição para deputado federal. A Corte eleitoral aplicou a Lei da Ficha Limpa para barrar a candidatura de Maluf.

O voto final foi dado pelo desembargador Antonio Carlos Mathias Coltro, presidente da Corte eleitoral.

O julgamento estava empatado em 3 votos a 3. Maluf foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Estado, em 2013, por suposto ato de improbidade administrativa. Esse foi o motivo do indeferimento de sua candidatura.

Em sua gestão como prefeito de São Paulo (1993-1996), Maluf autorizou a contratação das obras do Túnel Airton Senna, na zona Sul da Capital. O Ministério Público Estadual apontou superfaturamento e pagamentos ilegais relativos à medição 72 (consolidação do solo). Em valores atualizados para 2013, esses desembolsos representaram R$ 21 milhões de prejuízo ao Tesouro.

No Tribunal de Justiça, o entendimento é que Maluf agiu com “culpa grave”, mas não com dolo.
A Lei da Ficha Limpa impõe que o candidato deve ser barrado quando age com dolo que implica em dano ao erário e em enriquecimento ilícito. Essas condições – seis ao todo – são cumulativas, não alternativas. No julgamento do TJ, o dano foi reconhecido pelos desembargadores, mas não o enriquecimento ilícito de Maluf.

O procurador regional Eleitoral, André de Carvalho Ramos, autor do pedido de indeferimento do registro de Maluf, sustentou, na sessão de sexta feira passada, que o enriquecimento pode ser de terceiros, em alusão às empreiteiras contratadas. Carvalho Ramos já conseguiu barrar 40 candidatos com base na Lei da Ficha Limpa.
O desembargador Mathias Coltro, no voto desempate, assinalou que Maluf agiu dolosamente.

A defesa do ex-prefeito informou que vai recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral. A defesa avalia que o presidente do TRE de São Paulo não “interpretou” o texto do acórdão do Tribunal de Justiça.

O advogado Silvio Salata, que integra o núcleo de defesa de Maluf na área eleitoral, declarou que ficou surpreso com o voto desempate do desembargador Mathias Coltro. “O que mais surpreendeu a defesa foi o fato de que não houve nenhuma manifestação sobre a inexistência da cumulatividade. Ele (presidente do TRE/SP) não cogitou em nenhuma hipótese a ausência do enriquecimento ilícito. Não cogitou sobre a obrigatoriedade da existência da cumulatividade para o reconhecimento da causa de inelegibilidade”, argumentou Silvio Salata.

MALUF DIZ QUE ‘CONFIA NA JUSTIÇA’
Em nota, Salata e outros dois advogados de Maluf, Patrícia Rios e Eduardo Nobre, assinalaram que o ex-prefeito “sempre confiou e confia na Justiça”.

“O TRE/SP julgou procedente a impugnação de candidatura do deputado federal Paulo Salim Maluf, por 4 votos a 3, que bem indica o quão controverso é o tema”, observam os advogados. “Maluf respeita a decisão do Tribunal paulista e informa que recorrerá ao TSE, mantendo sua candidatura à Câmara dos Deputados, e continuará a realizar normalmente todos os atos de campanha.”

Imprimir

Paulo Câmara rebate Armando e promete combater quem não gosta de pagar imposto

Foto: BlogImagem

Durante a sabatina promovida pela rádio JC News na tarde desta segunda-feira (1º), o ex-secretário da Fazenda Paulo Câmara (PSB), candidato ao Governo de Pernambuco, rebateu a crítica do senador Armando Monteiro Neto (PTB) que, em Santa Cruz do Capibaribe, disse que não foi até o município para cobrar imposto.

“Ele se preocupa muito sem conhecer esse assunto. Ele não conhece a máquina pública, por isso passa uma imagem falsa”, afirmou.

“Não vamos sacrificar nenhuma categoria. Quem não gosta de pagar imposto, esse aí a gente vai ter que combater”, disse, alfinetando o adversário.

Paulo Câmara evitou confirmar, porém, se estava sugerindo que o adversário defendia a sonegação fiscal.

Câmara ainda defendeu o Estado e prometeu melhorar a arrecadação, sem aumentar imposto.

“O governo do que eu participei desde o início não apresentou nenhum projeto aumentando ICMS, IPI, nenhum imposto”, garantiu.

Imprimir

Polarização entre Dilma e Marina marca debate do SBT

Debate entre candidatas ficou polarizado. Foto: NELSON ALMEIDA / AFP

Debate entre candidatas ficou polarizado. Foto: NELSON ALMEIDA / AFP

Com o novo cenário eleitoral que se formou depois do ingresso da candidata Marina Silva (PSB/Rede) na disputa presidencial, o debate desta segunda-feira (1º) entre os presidenciáveis buscou ser democrático e priorizar a fala dos sete participantes, porém, o embate ficou polarizado entre as candidatas Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB). As duas estão empatadas, com 34% das intenções de voto cada, segundo a pesquisa Datafolha.

Dilma abriu o primeiro bloco do debate questionando Marina Silva sobre a viabilidade para cumprir as promessas de campanha. A petista lista uma série de valores investidos pelo seu governo na área de educação, saúde e transporte público. Marina rebateu logo na primeira frase afirmando que não se tratavam de promessas, mas compromissos.

A candidata usou o tempo para disparar críticas contra a gestão atual. “Hoje temos um desperdício muito grande nos gastos públicos. O que vamos fazer para conseguir os recursos é fazer com que o orçamento seja acrescido com o incremento da receita com o orçamento inteligente. Quando é dinheiro para banqueiro ninguém questiona de onde vem o dinheiro. O que nós vamos fazer são as escolhas corretas”, rebateu Marina. “O que vamos fazer são as escolhas corretas”, afirmou.

Dilma questionou Marina citando seu próprio exemplo à frente do governo federal e elencando as dificuldades para obter investimentos. Os investimentos no pré-sal também entraram na discussão das adversárias, quando Dilma afirmou que a adversária estaria desconsiderando a exploração do pré-sal.

“O dinheiro do pré-sal já está assegurado e nós vamos fazer bom uso do dinheiro. Vamos antecipar a meta com investimento na educação em tempo integral. O pré-sal deve ser explorado. A ideia cartesiana de governo só enxerga uma alternativa, nós vamos pensar em vários meios, com busca de novas fontes de renda e energia”, defendeu Marina.

O confronto entre as duas candidatas tem razão de ser. Segundo o Datafolha, Marina Silva abriu dez pontos de vantagem sobre Dilma Rousseff. Por isso, a reação da petista. O embate entre as duas se estendeu ao longo dos blocos.

Na pesquisa anterior, Marina tinha 47%. Agora, tem 50%. Com a margem de erro, tem de 48% a 52%. Dilma tinha 43% e agora está com 40%. Com a margem de erro, tem de 38% a 42%.

Imprimir

PSB/Pernambuco rejeita retorno de dissidentes

Quem tem vergonha não faz vergonha. Esse é um ditado antigo e muito bem aplicado para muitos casos atualmente.

Recentemente alguns aproveitadores de ocasião, que nem podemos chamá-los de políticos, migraram para o palanque do candidato ao governo de Pernambuco Armando Monteiro, motivo: o candidato liderava com folga e dava a entender que já estava eleito. Na segunda semana  do mês de agosto o IBOPE publica pesquisa eleitoral dando um crescimento estrondoso do candidato do PSB Paulo Câmara e com a possibilidade de já nos próximos dias aparecer na frente do candidato do PTB Armando Monteiro.

Alguns desses aproveitadores que infelizmente ainda vegetam pelo cenário político do Estado quando viram o vento soprar para o outro lado, pediram descaradamente, cinicamente para voltar. Alguns foram aceitos de volta, outros não. Os que foram aceitos de volta certamente irão ficar no limbo do esquecimento caso Paulo Câmara seja eleito, e não sem motivo. As suas cidades serão prejudicadas, esquecidas e no final quem perde é a população dessas cidades pela escolha de líderes políticos fracos, sem postura, sem personalidade e sem vergonha. Aliás vergonha e fidelidade política são artigos em falta em nossa tão permissiva política.

 

Imprimir

Com 41% a 35%, Marina desbanca Dilma em Pernambuco, mostra nova pesquisa da Nassau

Marina e Beto Albuquerque formalizaram aliança em ato neste sábado. Foto: Guga Matos/JC Imagem

A pouco mais de um mês das eleições, o cenário eleitoral em Pernambuco mudou radicalmente.

Agora, quem lidera a corrida presidencial no Estado, com 41% das intenções de voto, é Marina Silva (PSB), herdeira do ex-governador Eduardo Campos (PSB) após a morte do socialista em desastre aéreo, no mês passado.

É o que aponta o segundo levantamento realizado pelo Instituto Maurício de Nassau (IPMN), encomendado pelo Portal Leia Já e publicado em parceria com o Jornal do Commercio nesta segunda-feira (1º).

A presidente candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), caiu e está com 35% das intenções de voto.

Dilma, entretanto, continua muito à frente de um dos seus principais adversários nacionalmente, Aécio Neves (PSDB), que aparece com apenas 3% aqui.

O candidato de bandeira religiosa Pastor Everaldo (PSC) é o quarto colocado, com 1%. Os votos brancos e nulos somam 8% e 12% dos entrevistados não responderam em quem votariam.

 

Imprimir

Aprovação do governo Dilma cai, mas situação é de equilíbrio em Pernambuco

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A aprovação do governo da presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, diminuiu em Pernambuco desde a última pesquisa realizada pelo Instituto Maurício de Nassau (IPMN), no início de agosto, passando de 51% para 46%.

Em consequência, a quantidade de pessoas que desaprova a gestão da petista cresceu de 40% para 47%. O número reflete também nas intenções de voto: ela caiu de 40% para 35%, ficando em segundo lugar, atrás da socialista Marina Silva (41%), candidata oficializada há duas semanas, após a morte de Eduardo Campos (PSB), em um acidente aéreo.

O governo Dilma foi considerado regular por 31% dos entrevistados. De um lado, 24% afirmam que a gestão foi boa e 11% que foi ótima. De outro, 17% acharam ruim e outros 15% a classificaram como péssima.

Enquanto 56% dos entrevistados com baixo grau de instrução – aqueles que não concluíram o ensino fundamental – aprovam o governo, 57% daqueles que têm graduação não aprovam.

O Sertão é a região onde Dilma tem maior aprovação, de 59% dos entrevistados – e é também onde ela tem a maior intenção de votos, de 52%.

É no Recife, onde Marina vence com maior disparidade (53% contra 24% da petista), que a presidente tem a maior desaprovação, calculada em 58%.

Entre o eleitorado jovem, de 16 a 24 anos, mais da metade (57%) desaprova a gestão da petista à frente do Palácio do Planalto.

Diante desses índices, não surpreende que a diferença entre os que querem votar na presidente e os que preferem um candidato de oposição seja pequena. Se 34% declararam que irão às urnas para manter a petista no poder, 39% afirmaram achar os adversários melhores.

O percentual de entrevistados que estão indiferentes é de 18%.

A grande maioria, entretanto, afirma que, se deixar o Palácio do Planalto, Dilma não deixará saudades – 47%, número igual ao dos que não aprovam o seu governo. Trinta e dois porcento dizem que ela deixará saudades e 17% são indiferentes.

Coerente com os índices referentes a outros assuntos, a presidente não deixará saudades para 59% dos entrevistados no Recife, mas deixará para metade dos que são da região do São Francisco.

LULA - Mesmo tendo transferido a faixa de presidente para a afilhada política há quase quatro anos, Lula (PT) ainda é lembrado pelos pernambucanos como responsável pelas mudanças para melhor no Brasil, consideradas por 55% dos entrevistados.

O destaque da aprovação fica com os eleitores do Sertão do São Francisco, onde a taxa aumenta para 74%, provavelmente por causa de obras como a controversa transposição do Velho Chico.

O líder petista foi classificado dessa forma por 66,2%. Dilma está atrás dele, com 24,4%, seguida por Eduardo Campos (PSB), apontado por 1,8% das pessoas, quando o assunto era melhorar o Brasil. No plano local, Eduardo Campos foi citado como o principal cabo eleitoral, de acordo com os primeiros números divulgados neste sábado.

Imprimir

Visitante ilustre

Presidente do PT/Recife Oscar Barreto em encontro na Gamela de Ouro

Vitória de Santo Antão recebeu no dia 30 de agosto de 2014 o presidente do PT/Recife Oscar Paes Barreto. Candidato a deputado estadual pelo PT, Oscar Barreto, que recentemente disputou eleição dentro do Partido dos Trabalhadores para ter o nome ratificado como candidato a governador de Pernambuco em contraposição ao apoio ao candidato do PTB Armando Monteiro, faz palestra e encontros em várias cidades do interior do Estado, onde mostra plataforma que sustenta sua candidatura.

Cristiano Pilakop (Blog do Pilako) com Oscar Barreto

Oscar Barreto é militante do PT, participou da fundação do PT em Pernambuco em 1980. Fundou o PT no Recife em 1982, na oportunidade como vice-presidente assumindo a presidência em 1994. Assumiu também funções importantes como membro do PT Estadual e Nacional. Barreto tem no seu vasto currículo político a participação na coordenação das campanha de João da Costa e João Paulo para prefeito do Recife.

A visita do ex-deputado e presidente do PT/Recife Oscar Barreto foi acompanhada pela imprensa local representada pelo Blog do Pilako (Cristiano Pilako) e pelo Jornal A Verdade (Biracka Bayma). O convite surgiu pela sua larga experiência e atuação com movimentos sociais. Barreto tem uma forte atuação na luta pela Reforma Agrária, movimentos populares, sindicatos, minorias como negros, índios, pessoas com deficiência, mulheres, LGBTT e jovens. O apoio e orientação de Oscar Barreto será muito importante nesse momento que surge um dos mais amplos movimentos sociais da cidade, o “VITÓRIA MELHOR”. O movimento tem como objetivo maior juntar todas as correntes políticas e sociais da cidade em torno de propostas e ações para se ter uma cidade melhor. Outros encontros e discussões acontecerão após as eleições para que o movimento seja solidificado.

Almoço na Gamela de Ouro com Oscar Barreto